A SAGA - II-19 - The Belly of the Beast

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

A SAGA - II-19 - The Belly of the Beast

Mensagem  Myriam Castro em Seg Jun 08, 2009 11:31 pm




Belas capturas começando aqui:
http://s392.photobucket.com/albums/pp5/galeria_andromeda_saga/?action=view¤t=2.jpg

II – 19 - BELLY OF THE BEAST
A BARRIGA DA FERA

História original de Matt Kiene e J. Reinkemeyer

“Abaixo do saber, compreender;
Abaixo do compreender, ver;
Abaixo do ver, reconhecer;
Abaixo do reconhecer, saber.”

Guardião do Caminho - “Visão de Fé”
CY 10003


Dylan e Trance tinham saído na Maru, para tentar contato com os habitantes de um planeta cujo nível tecnológico não passava das transmissões por rádio. Eles pensavam num meio de chegar lá e convencê-los de que eles não estavam sozinhos, que os Magogs estavam a caminho e eram mortíferos, etc, etc, etc. para tentar protegê-los e quem sabe, agregá-los à Nova Comunidade. Trance até sugeriu que Dylan contasse a história “de um lendário Capitão e sua nave de guerra reluzente, que percorria as galáxias restaurando a ordem, a paz e a justiça ...” e que sempre haveria algo que “um herói com uma lança de força poderia fazer”. Dylan sorriu com aquelas palavras, mas a situação era bem séria.
Enquanto isso, na Andrômeda, Harper colocara um sistema de som ambiente que, acionado, enchia toda a nave com um rock do tipo “heavy metal” de zunir os ouvidos. Ele explicou aos colegas que só fazia aquilo quando Dylan não estava presente, pois o Capitão detestava aquele “barulho”. Os outros se entreolharam, e, pela expressão deles, Harper tinha certeza de que concordavam com Dylan ...
Beka conversava sobre um tal “Cetus”, que todos consideravam um mito. Ela tinha ouvido umas histórias, quando criança, de uma espécie de monstro nebuloso e gigantesco, que engolia naves e até planetas inteiros.
Na Maru, Dylan e Trance viram estranhos sulcos na superfície do planeta abaixo deles, como se tivesse siso “rasgado” por um arado gigante. Não sabiam o que era, mas Trance se lembrou de uma antiga lenda ...
... sobre Cetus, que era grande o bastante para fazer aquilo. Dylan nunca tinha ouvido falar de tal coisa, mas estava disposto a investigar o estranho fenômeno.
Beka localizou algo muito estranho, e ao enquadrá-lo na tela principal da Ponte, estacou.
Cetus!
Ela chamou os outros, e todos viram aquela coisa gigantesca, que parecia mais uma medusa, movendo-se pelo espaço ...
E logo Andrômeda soou o alarme, anunciando que tinha sido apanhada em algum tipo de raio trator, e não conseguia escapar. Identificando a origem, todos ficaram atônitos: aquele monstro os estava puxando!
Eles viram a tal coisa ficar cada vez maior, até que, de repente, tudo ao seu redor pareceu estar envolto em um véu translúcido e ao mesmo tempo cintilante.
Cetus tinha engolido Andrômeda.
Dylan perdeu subitamente o contato com sua nave, e, preocupado, traçou um salto em turbilhão para as últimas coordenadas da Andrômeda. E ao emergir novamente no espaço normal, seus olhos azuis se arregalaram ao ver aquela coisa. E mais ... bem no interior dela, ele podia ver a forma inconfundível de Andrômeda, como um peixe aprisionado numa rede. Ele e Trance ficaram horrorizados, e passaram a buscar uma maneira de libertar a nave.
Depois de várias tentativas de fuga sem êxito, e verificando que as enzimas digestivas de Cetus estavam começando a corroer a fuselagem da nave, Harper passou a trabalhar freneticamente em alguma geringonça que obrigasse a coisa a “cuspir” Andrômeda.
Enquanto isso, Dylan resolveu fazer uma investida suicida. Ele preferia morrer a ver sua nave destruída, juntamente com seus companheiros, e explicou a Trance o que tinha em mente. Era um procedimento arriscado, que poderia matá-los a ambos, mas tinham que tentar. Leal e corajosa, Trance concordou sem hesitar.
Ele armou uma bomba AP que a Maru tinha em seu pequeno arsenal, e a programou para explodir assim que tocasse a borda de Cetus. Era preciso aproximar-se o suficiente para lançar a bomba, e ele sabia que a Maru não tinha força suficiente para escapar da tração descomunal daquela coisa.
Pilotando ele mesmo a Maru, Dylan manobrou na direção de Cetus e pôs toda força nos motores, partindo em rota de colisão. No último momento, ele fez uma curva fechada, lançando a bomba, que quase que imediatamente depois colidiu com a massa de Cetus.
A explosão foi espetacular. Um grande clarão envolveu tudo ... e foi percebido até mesmo de dentro da Andrômeda, onde todos, que já imaginavam como seria serem digeridos lentamente por séculos a fio, adivinharam a causa.
Dylan!
Mas não havia sinal da Maru. Na Ponte de Comando, o silêncio era tal, que daria para ouvir um mosquito voando, e as três pessoas e a avatar que ali estavam pareciam estátuas. Os sistemas da nave já começavam a falhar, e Rommie “travou”, caindo ao chão e ficando imóvel, às vezes repetindo uma cacofonia de ruídos eletrônicos.
A situação era desesperadora. Então, por incrível que parecesse, foi exatamente Tyr Anasazi, o Nietzschean frio e calculista, que acreditou no impossível.
“Tenho certeza de que, se acontecer um holocausto cósmico, haverá apenas três classes de sobreviventes: Tyr Anasazi, as baratas ... e Dylan Hunt tentando salvar as baratas!” – ele comentou, ao ver o rosto desolado de todos, especialmente de Harper.
E de repente, a Andrômeda recebeu uma mensagem da Maru!
Era preciso que trabalhassem em conjunto, de lá e de cá, para libertar a nave. Harper, encorajado ao saber que o “Chefe” estava vivo, continuou a trabalhar na montagem de um dispositivo que, entrando em choque com a energia das baterias de plasma da Maru, causaria uma ruptura nos tecidos de Cetus, eliminando-o e libertando Andrômeda.
Assim foi feito. Quando os dois tipos de feixes de energia se encontraram, num determinado ponto da estrutura do monstro, esta se rompeu ... e toda a massa translúcida se desintegrou.
Estavam livres!
Mais tarde, quando Dylan chegou à Ponte, deparou com algumas avarias, mas nada aparentemente sério, e ele ficou feliz ao ver que todos ali estavam vivos e bem. Tão feliz, que nem se aborreceu com o “som ambiente” de Harper, agora em ritmo de “Charleston” (um estilo musical famoso na Terra Arcaica), e pegou Trance pela mão, dançando com ela. Harper fez o mesmo com Beka, e Tyr observava aquela cena, divertido. Até Rommie movia a cabeça ao ritmo da música ...

_________________
"Não é assim que as pessoas que se amam fazem ?"(Dylan Hunt)

Myriam Castro

Número de Mensagens : 4767
Idade : 56
Location : Minas Gerais - Brasil
Data de inscrição : 22/11/2007

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A SAGA - II-19 - The Belly of the Beast

Mensagem  Myriam Castro em Seg Jun 08, 2009 11:42 pm

Bem ...
Esse episódio teve alguns pontos divertidos:
O comentário de Trance, sobre o "herói com a lança de força";
O rock pauleira de Harper, que só colocava esse "som ambiente" quando Dylan não estava - o "Chefe" detestava esse tipo de barulho ...;
(eu achava uma gracinha essa do Harper tratar o Capitão como "Chefe" ...);
O comentário de Tyr sobre Dylan querer salvar as baratas;
E a cena final, com Dylan acabando por tolerar o barulho que Harper chamava de música, e até puxar Trance para dançar. :love: :lol:


Última edição por Myriam Castro em Sab Jun 13, 2009 3:48 pm, editado 1 vez(es)

_________________
"Não é assim que as pessoas que se amam fazem ?"(Dylan Hunt)

Myriam Castro

Número de Mensagens : 4767
Idade : 56
Location : Minas Gerais - Brasil
Data de inscrição : 22/11/2007

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A SAGA - II-19 - The Belly of the Beast

Mensagem  Convidad em Qui Jun 11, 2009 7:12 pm

Eu lembro tão bem desta frase:
"Tenho certeza de que, se acontecer um holocausto cósmico, haverá apenas três classes de sobreviventes: Tyr Anasazi, as baratas ... e Dylan Hunt tentando salvar as baratas!”
Achei muito interessante o tipo de análise que ele fez do caráter de Dylan! Ele realmente lutaria para salvar até as baratas!

Convidad
Convidado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A SAGA - II-19 - The Belly of the Beast

Mensagem  Myriam Castro em Qui Jun 11, 2009 7:21 pm

É isso mesmo ... até as baratas!
E mostrou também uma pontinha de otimismo, sentimento que Tyr, como Nietzschean, não tinha como "adequado".


Última edição por Myriam Castro em Sab Jun 13, 2009 3:50 pm, editado 1 vez(es)

_________________
"Não é assim que as pessoas que se amam fazem ?"(Dylan Hunt)

Myriam Castro

Número de Mensagens : 4767
Idade : 56
Location : Minas Gerais - Brasil
Data de inscrição : 22/11/2007

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A SAGA - II-19 - The Belly of the Beast

Mensagem  mara em Sex Jun 12, 2009 11:56 pm

É...salvar as baratas é engraçado... :lol:
Adorei a certeza de Beka de que Dylan estava lá fora... e Dylan voltando.
E ele dançando com Trance foi um charme...
Que gostoso, Myriam! :hellohands:

_________________
No one should never give up, ever! Do what makes you happy, what you are passionate about!

mara

Número de Mensagens : 18928
Location : São Paulo, Brasil
Data de inscrição : 02/11/2007

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A SAGA - II-19 - The Belly of the Beast

Mensagem  Myriam Castro em Sab Jun 13, 2009 3:52 pm

Lembro-me que, uma vez, Beka disse a Dylan que ele gostava de todo mundo, até dos que tentavam matá-lo ... principalmente desses últimos.
- The Banks of the Lethe (I Temporada)

_________________
"Não é assim que as pessoas que se amam fazem ?"(Dylan Hunt)

Myriam Castro

Número de Mensagens : 4767
Idade : 56
Location : Minas Gerais - Brasil
Data de inscrição : 22/11/2007

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A SAGA - II-19 - The Belly of the Beast

Mensagem  Conteúdo patrocinado Hoje à(s) 2:40 pm


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum